30 de maio de 2017

PONTOS TURÍSTICOS DE CUIABÁ


Centro Histórico de Cuiabá uma área histórica, tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Fundada em 1719 , com a descoberta de ouro em abundância, Cuiabá transformou-se em uma das maiores cidades do Brasil em menos de duas décadas. Mas, passada a corrida do ouro, a verde capital do velho oeste brasileiro teve que resistir a longos anos de solidão nesses sertões. 
Rua do meio, de baixo, beco do candieiro… Cuiabá guarda em suas ruelas muitas relíquias do período colonial. No centro histórico também situa-se os famosos calçadões que a exemplo da cidade de Curitiba ha projetos para revitalização e funcionamento 24H.
Endereço: Rua Cândido Mariano 

Centro Geodésico da América do Sul, nas coordenadas 15°35'56",80 de latitude sul e 56°06'05",55 de longitude oeste. Situado na atual praça Pascoal Moreira.
Demarcado pela Comissão Rondon , em 1909 , o centro geodésico da América do Sul fica no antigo campo do Ourique - hoje a praça Moreira Cabral, onde também fica a Assembleia Legislativa de Mato Grosso. 
Para marcar o local foi construído no ano de 1909 um marco simbólico de alvenaria pelo artesão Júlio Caetano onde foi gravado as coordenadas geográficas do local.
Mais tarde foi erguido por sobre o marco original um obelisco de aproximadamente 20 metros de altura todo revestido em mármore branco. Este obelisco foi eregido de forma a preservar o marco original, o qual se encontra hoje protegido por vidros, sendo plenamente visível.
Endereço: Acesso pela Rua Barão de Melgaco, 640 Cuiabá 

Sesc Arsenal, inaugurado em 1832, como Arsenal de Guerra da Capitania de Mato Grosso, tornou-se um símbolo da nacionalidade brasileira e demonstrou a determinação das Forças Armadas. Em 1989 o SISTEMA FECOMÉRCIO/SESC/SENAC-MT adquiriu, através de uma permuta com o Exército, o velho prédio, que é um testemunho da cultura e beleza arquitetônica do estilo neoclássico franco-lusitano. 
Após grandes reformas, que respeitaram o tombamento histórico e a necessidade técnica de cada atividade cultural, o Arsenal de Guerra abre suas portas para os artistas e a população em agosto de 2001, como Centro de Atividades SESC Arsenal com belíssimos espaços para o lazer da sociedade cuiabana.
No local existe choperia, centro de realização musical, centro de difusão musical, banco de textos, teatro, biblioteca, salão social, sala de dança, oficinas de idéias, galeria de artes, cinema e ponto de artesanato.
Endereço: Rua Treze de Junho,s/n - Centro Sul - Cuiabá (65) 3616-6901 


Catedral Metropolitana Basílica do Senhor Bom Jesus é uma catedral-basílica católica, sede da arquidiocese de Cuiabá. Inaugurada em 1973, a atual catedral foi construída sobre os escombros da antiga , uma jóia do período colonial que foi demolida.
De qualquer forma, sua arquitetura moderna tem admiradores. É a sede da tradicional festa do Senhor Divino, que acontece de maio a junho. 
Endereço: Praça da República Cuiabá (65) 3623-2127 

Igreja de Nossa Senhora do Bom Despacho é uma obra monumental da iniciativa do primeiro Bispo de Cuiabá, D. José Antônio dos Reis, estimulado no empreendimento pela deliberação do governo imperial, o grande edifício de altos e grossos paredões de taipa socada teve sua construção iniciada a 7 de dezembro de 1858 e veio a ser sede do primeiro estabelecimento de ensino secundário de Mato Grosso. 
Foi a segunda igreja construída na cidade de Cuiabá. Tombada estadualmente em 1977, passou por reformas recentemente, tendo sido reaberta em 2004.
Endereço: Acima da praça Ipiranga - Centro de Cuiabá 

Igreja do Rosário e São Benedito é um dos marcos de fundação da cidade de Cuiabá, tendo sido construída em arquitetura de terra em torno de 1730, próximo às águas do córrego da Prainha, em cujas águas Miguel Sutil descobriu as minas de ouro que impulsionariam a colonização da região. Sua fachada, de grande simplicidade, é típica da arquitetura colonial brasileira e esconde a decoração barroca-rococó nos alteres do interior, com rica talha dourada e prateada, única com esses detalhes no país. 
Construída inicialmente com a técnica da taipa de pilão, passou por várias reformas, incluindo uma que transformou sua fachada em neogótica, entre as décadas de 1920 e 1980, quando foi reformada e a arquitetura colonial resgatada. Tombada em 1975 pelo IPHAN , em 1987 pela Fundação Cultural de Mato Grosso e incluída no perímetro tombado do Centro Histórico de Cuiabá em 1993, é palco da Festa de São Benedito, mais longa festa religiosa do estado.
Endereço: Campo do Arnesto - Cuiabá 

Casa do Artesão é administrada pelo SESC, que atento aos grandes talentos artísticos que Mato Grosso tem para oferecer ao Brasil e ao mundo, o SESC apresenta aos visitantes o melhor do artesanato mato-grossense na Casa do Artesão. Fundada em 1975 pela iniciativa da Sra. Maria Lígia Garcia, então 1ª Dama do Estado, localiza-se em um prédio tombado pelo patrimônio histórico, onde, no início do século passado, funcionava o Grupo escolar Senador Azeredo. 
As antigas salas de aula hoje apresentam os diversos segmentos de artesanato destacando o artesanato em madeira com lindas peças esculpidas, marchetadas, trabalho com cipós e com fibra de tucumã entre outros. 
A sala de tecelagem apresenta trabalhos como as redes mato-grossenses, xales, caminhos de mesa e tapetes. Outras salas trazem dignas mostras do melhor trabalho indígena e biojóias, com a rica gama das sementes da região. As encantadoras cerâmicas, juntamente com os deliciosos doces e compotas feitos pelas doceiras regionais também são presença forte no SESC Casa do Artesão.
Endereço: Rua Treze de Junho esquina com a rua Senador Metello, n° 315, Porto, em Cuiabá 

Parque Mãe Bonifácia é um parque urbano. O parque foi inaugurado em dezembro de 2000 e está localizado na Avenida Miguel Sutil, em uma área de 77 hectares, conta com diversas espécies da flora e flora típica do cerrado.
Seu nome deu-se em homenagem a uma curandeira, escrava refugiada, conhecida por Mãe Bonifácia. Além do curandeirismo, Mãe Bonifácia controlava o acesso ao quilombo (a área era habitaba por quilombolas). 
O parque possui cinco trilhas para caminhadas e áreas recreativas e de esportes. Servia de antiga sede de treinamento do exército e possui cinco postos com equipamentos de ginástica, mirante, centro de educação ambiental e praça cívica.
No local, pode-se ver a vegetação típica do cerrado, especialmente na época de florada, que ocorre por volta de agosto. Os visitantes também podem ver alguns habitantes do cerrado, como o sagüi e outros pequenos primatas que vivem cruzando as trilhas do parque.
Endereço: Avenida Miguel Sutil, aberto diariamente das 06 às 19h, informações: 3623-4965 

Parque Massairo Okamura é uma unidade de conservação de responsabilidade da Superintendência de Educação Ambiental da Secretaria de Estado de Meio Ambiente – SEMA/MT. É um espaço ideal para caminhadas, tardes de lazer e para quem quer manter contato com a natureza, mesmo estando na cidade. Um outro objetivo do parque é proteger a nascente do córrego do Barbado.FAUNA E FLORA – A conservação das áreas florestadas do parque é de extrema importância. 
Elas apresentam espécies da fauna do cerrado que necessitam de ambientes específicos para se estabelecerem, com potencial em recursos naturais para a sustentação de tais espécies. Apesar da aparente monotonia da vegetação, a flora do cerrado é de enorme riqueza.Entre as espécies localizadas na área do parque podemos citar: farinheira; sete cascas; lixeira; angico; barbatimão branco; ingá; algodãozinho e sucupira preta.
Endereço: Av Histo Rubens de Mendonca, bairro Morada do Ouro, em Cuiabá 

Parque Zé Bolo Flô, foi criado em 2001 e visa oferecer uma opção de lazer aos moradores do Grande Coxipó, bem como para dar suporte à clientela assistida pelos estabelecimentos de Saúde localizados em seu entorno, como o hospital Adauto Botelho, a Escola de Saúde Pública e o Caps. O Parque da Saúde Zé Bolo Flô possui 66 hectares de cerrado, com duas pistas para caminhadas e muitos atalhos utilizados pela população. 
O parque é cortado pela avenida principal de acesso ao bairro Coophema e, dentro dos seus limites estão instalados a Escola de Saúde Pública Doutor Agrícola Paes de Barros, o Núcleo de Ofiologia e o Hospital Adauto Botelho. Entre os seus atrativos estão muitas espécies de árvores frutíferas.
O Parque recebeu o nome de Zé Bolo Flô em homenagem a uma figura do folclore cuiabano. Zé Bolo Flô viveu em Cuiabá nos anos 60 e 70. Pobre e negro, foi compositor, poeta a músico de sucesso na sociedade cuiabana, sendo requisitado nos festejos religiosos e carnavais realizados nas ruas e praças da antiga Cuiabá.
Endereço: Coxipó da Ponte, bairro Coophema, acesso pela Avenida Fernando Correia da Costa. Aberto diariamente das 06h às 18h 

Zoológico da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), que funciona normalmente neste período, das 8h às 18h, de terça-feira a domingo. Somente na segunda-feira fecha para manutenção. O passeio é gratuito.
São aproximadamente 500 animais dentre aves, répteis e mamíferos, divididos em 80 espécies diferentes, que podem entreter a criançada e também proporcionar conhecimento sobre a fauna regional. O Tuiuiú, por exemplo, símbolo do Pantanal, é uma ave que se encontra no Zoo da UFMT. 
O Zoológico conta com profissionais especializados, como biólogos e veterinários, que zelam pela alimentação, a saúde física e mental e habitat dos animais. Também conta com tratadores especializados na manutenção dos recintos e manejo das espécies.
O Zoológico da UFMT recebe mensalmente cerca de 6000 (seis mil) visitantes, dentre estes centenas de turistas nacionais e internacionais, estudantes de ensino fundamental e médio, idosos, etc;
É reconhecido por sua peculiaridade de cuidar somente de animais regionais e pela qualidade de seus recintos que proporcionam aos animais uma boa qualidade de vida.
Endereço: Zoológico da UFMT, Av. Fernando Correia, s/nº, Cuiabá Tel: (65) 315-8007 

Parque Tia Nair, localizado em frente ao Residencial Alphaville, entre o Jardim Itália e os bairros Renascer e Santa Inês, é fruto de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) do Ministério Público, através da Promotoria de Justiça do Meio Ambiente. 
Parque Tia Nair foi entregue a população Cuiabana em 15 de Dezembro de 2007. O local facilita a prática de esportes, como corridas e caminhadas, com pista de saibro, material que diminui o impacto físico em caminhadas e corridas. 
O nome do Parque Tia Nair é uma homenagem à tia-avó (já falecida) do empresário de Turismo de Mato Grosso, Orlando Nigro. Nair foi uma figura importante da sociedade e, em vida, expressou o desejo de construir uma obra em prol da comunidade cuiabana.
Endereço: Avenida João Gomes Monteiro Sobrinho - Jardim Itália - Cuiabá 

Horto Florestal Tote Garcia, foi criado em 4 de fevereiro de 1953, está situado na zona sul da cidade de Cuiabá, à margem esquerda do rio Coxipó, com uma área aproximada de 15 hectares. Uma área pública, utilizada para o desenvolvimento de pesquisas, para a produção de mudas para arborização da cidade, para o desenvolvimento de trabalhos de educação ambiental e para o lazer da população. 
No horto é possível encontrar o viveiro de mudas, local onde são produzidas as mudas de inúmeras espécies, em quantidades suficientes para atender à demanda da comunidade em geral. O local ainda abriga o centro de convivência (auditório) com infra-estrutura destinada às discussões públicas sobre as práticas conservacionistas, à educação ambiental, reuniões e treinamento. O bosque, uma área florestal com predominância de espécies nativas, onde os objetivos são a proteção do solo, habitat para a fauna, produção de sementes, lazer contemplativo e educação ambiental, completa aquele cenário natural.
Endereço: Rua Ivan Rodrigues Araes, no Bairro Coxipó da Ponte, aberto de segunda a sexta, das 7h às 17h, para mais informações (65) 3313-3158 

Parque Municipal Morro da Luz - Antonio Pires de Campos, homenageando o filho do Bandeirante Manoel de Campos Bicudo, é nome oficial do morro que é uma imensa área verde localizada no centro da capital. Foi tombado como patrimônio histórico municipal pelo Decreto de Lei nº 870 de 13.12.1983. 
Em 1722, contam os historiadores, que o bandeirante Miguel Sutil, guiado por um índio, tornou-se o primeiro homem branco a chegar ao topo, na época, o monte ficou conhecido como “Lavras do Sutil”, devido ao grande número de pepitas de ouro existente no lugar. 
Um dos primeiros desbravadores a atingir o local, e devido à existência naquela área elevada de uma pequena casinha, a subestação da usina casca I, que fazia distribuição da energia, e inaugurada em 1928, também ficou conhecida como Morro da Luz.
Primeiro Parque Urbano do Centro-Oeste Brasileiro, inaugurado em 22 de Maio de 1925, pelo então prefeito Cel. José Antônio Albuquerque, como ato inaugural da tão esperada escadaria que ligaria e facilitaria a movimentação da população da rua debaixo a Colina do Seminário.
A colina só ganhou a denominação de Morro da Luz na década de 40, quando foi instalada no local a empresa de Força, Luz e Água (Efla). Hoje, o Morro da Luz conta com pequenas trilhas e praças e escadaria com 115 degraus que ligam a avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha) ao lado mais elevado da colina, na rua Manoel Santos Coimbra. Desaconselhável caminhadas pelo local, pois é área de risco, sem policiamento. 
Endereço: Avenida Tenente Cel. Duarte. 

Sesi Park uma estrutura ampla,moderna e a melhor opção quando se trata de lazer e entretenimento em Mato Grosso. Inaugurado em 2004, a unidade do SESI possui uma área total de 80 mil metros quadrados e mais de 18 mil m² de área construída. O parque conta com um complexo aquático, esportivo e cultural.Todos os meses, o SESIPARK elabora uma programação diferente para animar o público. 
Datas especiais como Carnaval, dia das mães, dos pais, das crianças, e eventos tradicionais como Festa Junina, colônia de férias, entre outras, são celebradas pelo parque por uma equipe de lazer preparada para não deixar ninguém parado.
Endereço: Avenida Oátomo Canavarros, 1079 - Bairro Morada do Ouro Cuiabá-MT 

Horário de funcionamento: sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 17h30 
Telefone: (65) 3648-7850 

Museu Histórico de Mato Grosso, criado em 20 de agosto de 1987, instalado originalmente no antigo prédio do Palácio da Instrução. Muitas obras são provenientes de doações, principalmente os retratos e as esculturas de Marechal Rondon.
"O objetivo do acervo é mostrar a cultura, tentar transmitir um pouco da história de Mato Grosso à população, que, infelizmente, não procura se inteirar dos detalhes da nossa cultura', diz a monitora. A instituição é procurada mais pelos turistas que vem para Cuiabá. 
Cada uma das salas conta um pouco da história do Estado. O período do combate contra os paraguaios e da chegada de Rodrigo Cezar de Manezes em Cuiabá, para citar um exemplo, está representado na primeira sala, com quadros, pinturas e maquetes. A história da primeira capital mato-grossense, Vila Bela da Santíssima Trindade, e os fatos políticos e sociais de então são retratados em pinturas e esculturas nas paredes.
O museu conta ainda com obras sobre a Batalha Fluvial do Alegre, a inauguração da Praça Alencastro e outros fatos que resumem a história do estado de Mato Grosso. O acervo está aberto à visitação de segunda a sexta-feira da 8h às 17h. A entrada é gratuita.
Endereço: Praça da República, 131 Centro - Cuiabá. Informações (65) 3613-9234 

Cine Teatro Cuiabá foi Inaugurado em 23 de maio de 1942, durante o governo de Júlio Strübing Muller e fazia parte do conjunto de “obras oficiais” do Estado Novo. Com seu estilo arquitetônico art-decó e uma capacidade para 600 pessoas, a partir desta data o Cine Teatro Cuiabá ocupou-se de oferecer à sociedade matogrossense, uma programação diversificada de filmes e peças teatrais nacionais. 
Esse espaço cultural recebeu renomados artistas brasileiros daquele período, como exemplo, o primeiro filme exibido foi “A noiva veio como encomenda” da Warner Bros, estrelado por Bety Davis e James Cagney.
Em 1984 ocorre o seu tombamento, definindo-o como patrimônio histórico e artístico do cenário arquitetônico de Mato Grosso. O Cine Teatro Cuiabá é patrimônio da Secretaria de Estado de Cultura, doado à extinta Fundação Cultural de Mato Grosso pelo Governo do Estado, através do Decreto nº. 478/84 de 08 de fevereiro de 1984. É constituído como Patrimônio Histórico e Artístico Estadual, tombado pela Fundação Cultural de Mato Grosso, conforme portaria nº. 30/84 de 31 de setembro de 1984, publicada no Diário Oficial de 10 de setembro do mesmo ano.
Endereço: Av. Pres. Getúlio Vargas, 161 Cuiabá, 
Administração - (65) 3054-5840 / Bilheteria - (65) 3624-5845 / IMTDH - (65) 3623-0629 

Museu da Caixa D'água, um pequeno aqueduto de estilo romano, conhecido como Morro da Caixa D’água, foi construído em 1882, na gestão do coronel José Maria de Alencastro, como presidente da Província de Mato Grosso. A caixa d’água recebia água aduzida pela Hidráulica do Porto movida por máquina a vapor. Essa caixa abastecia a população cuiabana de água potável por gravidade.
Redescoberto e recuperado no final de 2007, o Museu ganhou lugar de destaque nos roteiros turísticos e de pesquisas e passeios estudantis e está em uma área urbanizada integrando com a natureza. 
O espaço tornou-se um dos monumentos histórico-turísticos mais visitados da Capital. O Museu da Caixa D'Água Velha em si consiste numa grande exposição de arte aos olhos dos visitantes. Além de exposições permanentes mostrando objetos que compuseram sua própria história, como tubos de ferro fundido e registros usados no controle da distribuição de água, o Museu vem promovendo mostras rotativas de peças de artistas locais e de outros pontos do estado.
O Morro da Caixa D’água Velha abriga o Museu das Águas, que está sob a guarda da Secretaria da Cultura de Cuiabá. O local é um lugar de efervescência cultural. A parte interna, onde fica o aqueduto, impressiona os visitantes. Este reservatório comportava 1,2 milhões de litros, suficientes para garantir o abastecimento dos 25 mil moradores de Cuiabá.
Endereço: Rua Comandante Costa, esquina com a Nossa Senhora de Santana 
O espaço está aberto à visitação de TERÇA A SEXTA das 09 às12h e das 14 às 18h, SÁBADO E DOMINGO das 10 às 12hs e das 13 às 17h 

Museu da Imagem e do Som, inaugurado em 2006, abriga em seu acervo documentos fotográficos e sonoros que retratam a cidade em seu cotidiano desde 1910 até os dias atuais.As imagens foram capturadas pelos fotógrafos Eurípedes Andreato – aproximadamente 8.000 fotos, e Lázaro Papazian – mais de 25.000 fotos. Além disso, o museu dispõe de grande quantidade de discos em vinil, fitas de vídeo VHF e fitas cassete, acervo que permite conhecer a Cuiabá de todos os tempos. 
Localizado no centro histórico da capital, o museu ocupa uma das construções mais significativas da cidade. O espaço funciona das 14 às 18h, e é gerenciado pela Secretaria de Cultura, realizando cursos de fotografia, oficinas diversas, mostras e exposições dentre outras atividades.
Endereço: Rua Voluntários da Pátria, nº 75, esquina com a rua 7 de Setembro 

Museu do Rio e Aquário Municipal, fundado em 1999, faz parte de um complexo que inclui o e a reurbanização da Avenida Beira Rio. A abertura do Museu do Rio serviu como um resgate da memória local e arredores do Rio Cuiabá e como fonte de pesquisas para historiadores e interessados na cultura regional.
O Museu está instalado no prédio do antigo Mercado do Peixe, construído em 1899. 
A construção foi tombada pelo governo do Estado em 1983, e a recuperação do prédio aconteceu em 1999, ano em que se completou o centenário de sua construção. O imóvel passou a abrigar o Museu.
Administrado pela Secretaria Municipal de Cultura, o Museu do Rio Cuiabá possui linhas de ação que garantem sua efervescência cultural e vem se transformando em pólo criador e articulador de vivências e pesquisas sobre a arte e a cultura popular mato-grossense.
Endereço: Av Manoel José de Arruda, 1481, Porto, Cuiabá. 

Museu de Arte Sacra de Mato Grosso foi fundado em 10 de março de 1980, dentro do Seminário da Conceição. Lá foram reunidas diversas peças do período setecentista, remanescentes da Antiga Catedral do Senhor Bom Jesus e da Igreja de Nossa Senhora do Rosário.
A Missão do Museu é Preservar, conservar, divulgar e transmitir a memória e a história do acervo do Museu de Arte Sacra de Mato Grosso assegurando o acesso democrático ao museu e a visitação 
dos bens museais em exposição, através de políticas claras e coerentes e de ações educativas e pesquisa ao público visitante por meio de atividades de extensão cultural, numa perspectiva multidisciplinar de educação, lazer, produção e divulgação de conhecimentos. 
Tem como valores o respeito pela diversidade e pelos visitantes em primeiro lugar. Responsabilidade cultural, social e ambiental, além da preservação do patrimônio material móvel e imóvel do Museu. Autoavaliação, transparência, inovação e comprometimento. Ênfase na qualidade dos atendimentos e produtos. Compromissos com as diretrizes do Ibram e Sistemas Nacional e Estadual de Museus. Pesquisa e atenção prioritária aos portadores de necessidades especiais e de terceira idade estão entre os princípios gerais que norteiam a instituição.
A visitação pode ser realizada das 13h às 18h e agendamentos escolares ou de visitação em grupo podem ser programados de segunda a sexta, das 9h às 12h e das 13h às ção:13h às 17h
Endereço: Praça do Seminário, Rua Clóvis Hugney, nº 239, no prédio Seminário N. Sra. da Conceição, bairro Dom Aquino. Mais informações pelos telefones (65) 3028-6285 ou 3028-6286. 

Museu Rondon foi criado em 1972 para ser um centro de indigenismo, pesquisa e divulgação das culturas indígenas em Mato Grosso. Seu acervo atual ultrapassa mil peças, incluindo adornos plumários, indumentárias, armas, artefatos de ritual mágico, cerâmicas, instrumentos musicais, tecelagem, trançados, utensílios, etc, além do material fotográfico retratando o cotidiano das aldeias. Seu nome é um tributo ao matogrossense marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, pela sua determinação na defesa dos direitos indígenas. 
Foi a proximidade com os índios que levou à formação do acervo de peças de uso tradicional, coletadas diretamente nas aldeias. No seu interior, o Museu Rondon buscou colocar o visitante em contato com o ambiente mais íntimo da casa indígena, retratando-a na singela distribuição dos objetos: as redes, a terra batida, a lenha, o fogo. Ao lado do prédio do Museu, no Parque Aquático, em meio aos coqueiros e à sombra das árvores do cerrado, foi construída uma casa indígena no modelo ovalado xinguano, que exigiu dos índios Bakairi a recuperação da sua própria memória. Com uma média anual de mais de 6 mil visitantes, recebe principalmente estudantes da rede de ensino de 1º e 2º graus.
Endereço: Av. Fernando Corrêa da Costa, s/nº, Coxipó, tel: (65) 3615-8489. Ter. a sex., das 7h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h30; sáb. e dom., das 7h30 às 11h30. Entrada gratuita 

Museu de Pedras Ramis Bucair guarda um acervo particular que conta mais de quatro mil peças arqueológicas, etnográficas e geológicas, além de exemplares de pedras semi-preciosas, semi-joias, fósseis pré-históricos, pedras com inscrições ruprestes, cristais, rochas raras e até um meteorito.
Essa coleção é fruto da paixão do agrimensor e historiador que fundou e dá nome ao museu. Nascido em 1933, Ramis foi criado em uma Cuiabá que contava pouco mais de 40 mil habitantes. 
Na infância, seu espírito aventureiro foi cultivado desde a infância em passeios pelos rios, ainda límpidos, Cuiabá e Coxipó. Em São Paulo, estudou Agrimensura e Espeleogia, profissões que o credenciaram a sucessor do Marechal Cândido Rondon, no trabalho de manutenção das linhas telegráficas, o que o obrigou a percorrer mais 700 km a pé, selva à dentro. Desse trabalho resulta grande parte do acervo do museu, que fundou em 08 de abril de 1959. A visitação ocorre em horário comercial.
Endereço: Rua Galdino Pimental, a antiga Rua do Meio 

Museu de Pré-história Casa Dom Aquino é um Patrimônio Histórico do Estado de Mato Grosso construído em 1842 e foi local de nascimento de duas pessoas ilustres de Mato Grosso - Joaquim Murtinho e Dom Aquino Corrêa. Ela abriga o Museu de Pré-história Casa Dom Aquino que foi inaugurado em dezembro de 2006, através de uma parceria entre a Secretaria de Estado de Cultura (SEC) e o Instituto Ecossistemas e Populações Tradicionais (ECOSS). 
A educação, a cultura, a pesquisa e a inclusão social são os principais objetivos do museu e a sua missão é transmitir conhecimentos arqueológicos e paleontológicos aos cidadãos de todas as classes sociais e de diferentes áreas do conhecimento incentivando a preservação dos sítios arqueológicos e paleontológicos, bem como do meio ambiente.
A exposição está dividida em arqueologia e paleontologia. A paleontológica inclui os fósseis do estado de Mato Grosso organizados de forma cronológica representando a evolução biológica através das eras geológicas possuindo desde fósseis de estromatólitos do pré-cambriano, de dinossauros (Sauropoda) do mesozóico até fosseis de extinções recentes como preguiças (Eremotherium laurillardi) e tatu gigantes (Pampatherium humboldti) do final do quaternário. Já a exposição arqueológica está dividida em pré-histórica e histórica tendo na primeira, artefatos produzidos pelo homem pré-histórico, como: machadinhas, ponta de lança e cerâmicas; e na segunda artefatos dos séculos XVIII e XIX como: Endereço: Av. Beira Rio, 2 - Dom Aquino, Cuiabá 
Tel:(65) 3613-9290 
Horário de Quinta-feira 7:30 às 11:30 / 13:30 às 17:30 

FONTE - http://www.matogrossobrasil.com.br/pontosturisticosdecuiaba.asp 



Turismo Rural no Município de Cáceres - Mato Grosso





Município de Cáceres
O município de Cáceres- MT á 218 km de Cuiabá pela BR 070, está em um processo de organização do Turismo Rural como alternativa de segmento turístico tem em vista que o município já é consolidado como destino de pesca esportiva, uma vez que já cedia a maior Festival de Pesca (FIP- Festival Internacional de Pesca) em águas doce e embarcado do mundo.

A iniciativa de se criar um destino de Turismo Rural envolvendo toda região em um roteiro integrado, foi da Coordenadoria Regional da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) do município de Cáceres, em parcerias com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Secretaria do Estado de Desenvolvimento Rural (Seder), Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Turismo (Sedtur), Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), prefeituras municipais e o MT Regional.

O desenvolvimento do Turismo Rural surge no âmbito das oportunidades e possibilidade de se estimular os agricultores no resgate da ruralidade, cidadania, herança cultural de toda a região de Cáceres e fomentar o turismo rural e dar sustentabilidade aos agricultores familiares.

Para que o processo de formatação do roteiro fosse consolidado foram realizadas algumas oficinas, reuniões e visitas técnicas durante sobre Turismo Rural na agricultura familiar. As visitas abordaram e ensinaram produtores e os demais envolvidos tudo sobre sustentabilidade, a importância da preservação ambiental, a possibilidade de se aumentar o emprego e a renda familiar.

Foi também utilizado os princípios de DRS, Cluster e ou Arranjos Produtivos Turísticos, que nada mais é que o conjunto de setores e atrativos com diferencial turístico destacado, concentrado num espaço geográfico delimitado, tendo em vista os processos de produtivos da agricultura, pecuária, aliados ao desenvolvimento do turismo com os equipamentos e serviços de qualidade que compõem este setor.

O projeto foi construído tendo como base o princípio da regionalização territorial, para isto teve o envolvimento do Consorcio Intermunicipal de Desenvolvimento Regional e Turístico Nascentes do Rio Paraguai, este consorcio tem 11 municípios mas apenas 7 fizeram parte deste processo, (Cáceres, Curvelândia, Lambarí do Oeste, Rio Branco, Salto do Céu, Reserva do Cabaçal e Mirassol do Oeste).


No município de Cáceres a exemplo dos outros municípios teve o processo de inventário, diagnóstico e conseguiu em menos de 2 anos formatar em seu destino várias opções de produtos:


Comunidade de Piraputanga 
Roteiro Ponta do Morro
Gruta Dolina da Água Milagrosa: Localizada a 40 km do centro de Cáceres,com acesso pela estrada que liga Cáceres à Barra do Bugres, onde já foram encontradas pinturas rupestres, é formada por um enorme buraco em um dos morros, com água azul e transparente no fundo. Propício para o banho e mergulho, onde se tem uma estrutura de hospedaem. Alimentação e escada para se descer na gruta.


Balneário Ponta do Morro: Localizado na margem esquerda do Córrego Piraputanga, a 21 km do centro de Cáceres, caracterizado como turismo de lazer, estruturado com restaurante, piscina, pesque e solte e trilhas ecológicas.


*Ainda na Comunidade Piraputanga: existem muitas outras potencialidades que estão sendo observadas e em breve serão apresentadas com produtos de Turismo Rural Formatados
Fazenda Jacobina
A fazenda Jacobina: é considerada um patrimônio histórico e cultural, existe antes mesmo do município de Cáceres ser fundado, pertence à família do produtor rural Sr. Sebastião Natalino Lara desde 1912., segundo ele seu pai Vitório da Silva Lara foi quem adquiriu a propriedade no ano de 1912, onde nasceram e foram criados oito filhos.

A fazenda foi dividida em nove partes, mas hoje só duas pessoas ainda tem terras é o caso do Sr. Sebastião e sua irmã, ele é casado com dona Terezinha Arantes de Campos Lara, mais conhecida como dona Têca, tem três filhos,um fomados em Medicina e outro em veterinária que se chama Adriano de Campos Lara, e que ajuda o pai a cuidar da Jacobina.

O casarão da fazenda tem uma arquitetura, com piso português original e restos de velhas máquinas do antigo moinho, importadas da Inglaterra. São mais de 240 anos de história, onde seus proprietários, historiadores, arqueólogos, técnicos da prefeitura municipal e os técnicos da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) trabalham juntos num projeto para resgatar a história da Fazenda Jacobina.

A estrutura produtiva da fazenda é contemplada com a produção da pecuária leiteira e de corte e piscicultura.

O restaurante Jacobina o empreendimento já formatado para atendimento aos visitantes (turistas), funciona no mesmo espaço onde foi a senzala dos escravos, oferece um cardápio delicioso tipicamente da roça, atende refeições nos finais de semana e com agendamento.

O próximo passo é transformar o casarão em uma pousada, juntando o antigo com o novo para transformar a fazenda num receptivo de Turismo Rural Sustentável.


Casa do Jacaré ou Crocrijapan 
Atuando desde 1990, a Cooperativa de Criadores de Jacaré do Pantanal (Coocrijapan), é o primeiro criatório comercial de jacarés do Brasil, um projeto que respeita o meio ambiente e combate à caça predatória indiscriminada, gerando emprego e renda, o consumo da carne de jacaré que é nobre e exótica, já é uma realidade nos restaurantes de Cáceres e está presente em vários supermercados da capital, ela tem baixa concentração de calorias e gorduras, além de ser rica em proteínas com ótimo sabor.

A criação do jacaré em cativeiro na cooperativa inicia no processo de coleta dos ovos até sua comercialização e utilização final tudo é sustentavelmente pensado, planejado e executado.

Os animais (jacarés) são aproveitado quase que 100%: sendo utilizados na alimentação humana, na confecção de artesanatos decorativos e fabricação de roupas, calçados, bolsas, cintos e acessórios em geral.

A indústria tem licenciamento junto ao Serviço de Inspeção Federal (SIF). Conta com aproximadamente 13 fazendas fornecedoras de ovos cadastradas, com autorização do Ibama, a coleta de ovos é controlada, são coletados apenas 40% de ovos nos ninhos em cada fazenda participante do processo.

Na sede da cooperativa estão hospedados cerca de 40 mil animais, destes cerca de 2.500 mil animais são abatidos por mês e obtido uma média de 5 a 6 toneladas por mês, que são comercializados. A comercialização está concentradas nos estados de Minas Gerais, Brasília São Paulo e Goiânia, no estado de Mato Grosso a comercialização ainda é muito baixa.

Nove são os tipos de cortes no jacaré. Obtendo-se o animal inteir, limpo e sem pele, a ponta de cauda, filé de cauda, filé de lombo, filé de dorso, filé mignon, aparas, coxa, iscas e sobre coxas.

Industrializado se obtém as lingüiças do tipo apimentada e com ervas finas, além de vinte e cinco receitas testadas, receitas culinárias disponíveis no site: http://www.coocrijapan.com.br/

Cáceres: é  um município de muitas outras  pontencialidade para o Turismo Rural, às margenas do Rio Paraguai, assentamentos da reforma agrária, fazendas centenárias, a região da morraria, enfim em um outro momento e fase espera-se term muitos outros produtos formatados para receber o turista deste segmento.
Relatos: Geraldo Donizeti Lúcio

Informações técnicas e guiamento: Weber Girardi, Gerente de Marketing e Comercialização da Coocrijapan.

Informações: Sr. Sebastião Natalino. Proprietário da Fazenda Jacobina

Informações: Elicinéia Fortes Coordenadora Regional da EMPAER de Cáceres

Fotos: João de Melo/EMPAER
              Marcelo Krause


 SINALIZAÇÃO NA ÁGUA MILAGROS

 ÁGUA MILAGROSA

 ÁGUA MILAGROSA

 ÁGUA MILAGROSA

JACARÉ DO PANTANAL


Empaer participa de audiência pública para promover agricultura familiar em Mato Grosso.

O presidente da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Layr Mota da Silva, juntamente com sua equipe técnica, participou do debate sobre assistência técnica, organização da produção e comercialização dos produtos da agricultura familiar, realizada no dia 18 de maio, na Assembleia Legislativa. Estavam presentes também representantes de diversas instituições responsáveis por implementar a atividade. O objetivo foi discutir investimentos e atividades dos programas governamentais, tendo em vista a necessidade de profissionalização da produção para fortalecer a venda. O deputado requerente da audiência pública, Valdir Barranco, explicou que “é de fundamental importância organizar a produção e construir instrumentos para fortalecer a comercialização dos produtos de agricultura familiar em Mato Grosso”. 
Na audiência pública destacaram a importância debater agricultura familiar. O Estado conta hoje com cerca de 130 mil famílias cuja principal fonte de renda e de sustento é a agricultura familiar. Todavia, o mercado ainda não é suficientemente explorado: atualmente, cerca de 80% das vendas de pequenos produtores em Mato Grosso são provenientes de outros estados. Portanto, não basta plantar e colher, há demanda de investimentos em estrutura física e de escoamento para se vender. Layr Mota da Silva, afirma estar insatisfeito com o investimentos federais e estaduais das gestões anteriores. Segundo ele, nos últimos dois anos a Empaer teve muitos avanços. “Nós conseguimos aumentar em 124% o número de projetos que foram elaborados e liberados", afirma. Ele também destacou que 70% do que é consumido localmente provém da agricultura familiar. “Se nós investirmos na agricultura familiar, podemos ser o maior produtor do país, aqui nós temos água, temos terra, e temos pessoas com vontade de trabalhar". 
Participaram da audiência pública, além das instituições já mencionadas, representantes do Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária de Mato Grosso (Incra/MT), da Central de Abastecimento de Mato Grosso (Ceasa), do Instituto de Pesquisa da Amazônia (Ipam), da Secretaria Especial de Desenvolvimento Agrário e da Agricultura Familiar, da Superintendência Regional em Mato Grosso da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Federação dos Trabalhadores na Agricultura em Mato Grosso (Fetagri/MT), da Secretaria Municipal de Agricultura de Cuiabá, da União das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária de Mato Grosso, da Secretaria de Estado de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz/MT) e de municípios do Interior.


Fonte: Sônia Maria Durval Trindade (Unicom/EMPAER-MT)

Mulheres rurais participam da Oficina de Processamento de Pimenta


A produtora rural Teresa Alves cultiva pimenta no Assentamento Rural Barra do Marco, município de Pontes e Lacerda (448 km a Oeste de Cuiabá). Ela possui mais de 70 canteiros e 10 variedades diferentes com o plantio de pimenta malagueta, biquinho, dedo de moça, cheiro, bodinho, doce, e outras. Para evitar perdas e aumentar o orçamento da família, a produtora participou da Oficina de Processamento Artesanal de Pimenta, realizada pela Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer). O evento contou com a participação de 15 mulheres rurais. 

Conforme a produtora, a oficina mostrou como fazer pimenta em conserva, desidratada na forma de pó, geleia, doce e vários tipos de molhos líquidos. Ela explica que queria aprender a fazer molho de pimenta, pois quando produzia estragava muito rápido. Hoje, com as instruções e boas práticas de produção, garante que o molho terá uma validade de três meses ou mais. A produtora vende a maior parte da produção in natura. A mais procurada é a pimenta bode, que custa em média R$ 15 o quilo. 
Outra forma de produzir pimenta abordada na oficina foi a desidratada. Segundo Teresa, essa é também muito interessante e fica com sabor picante na comida. A produtora também planta hortaliças, como vagem, quiabo, abobrinha, e etc. “Aprendi a fazer vários tipos diferentes de produtos e acredito que isso vai agregar valor às vendas e evitar as perdas com o amadurecimento rápido das pimentas”, declara. 
A extensionista da Empaer, Maria dos Remédios Vieira de Sousa, informa que o objetivo da oficina foi aproveitar artesanalmente todos os nutrientes e potencialidades das variedades existentes de pimenta, e também incentivar o plantio. Ela destaca que a produção de pimentas de boa qualidade é fundamental para o processamento de produtos de qualidade. “Esse produto se deteriora com muita rapidez, podendo causar grandes perdas”. 
Para evitar prejuízos, uma saída para as produtoras é a fabricação de molhos, conservas e geleias. Essa atividade agrega valor à produção e aumenta a renda. Conforme Maria dos Remédios, o processamento de pimenta é fácil e prático, mas como todo produto artesanal, exige muito cuidado na produção e princípios básicos de limpeza e desinfecção. A oficina orientou as produtoras desde a seleção, lavagem, branqueamento, pasteurização, resfriamento, armazenamento e outros procedimentos. 
A extensionista enfatiza que outro fator que interfere na qualidade do produto é a aparência, que exerce papel fundamental na decisão de compra do consumidor, uma vez que é por meio da observação que o consumidor seleciona, escolhe e consome o alimento. Produtos com características sensoriais inadequadas são rejeitados. “As pimentas são especiarias e representam boa parte do segmento de condimentos, temperos e conservas. Além de dar um sabor especial às preparações de alimentos”, esclarece. 
A oficina foi realizada no Assentamento Barra do Marco, na área da produtora rural Rosangela Guedes Santos. Foram três dias de oficina no mês de março. 

Fonte: Rosana Persona (jornalista da Empaer)

26 de maio de 2017

Turismo Rural em Campo Verde



• Fazenda Ponte Falsa: 
Residência da tradicional família Magalhães, possui trilha pela mata ciliar, cerrado e várzea com catalogação da flora. Dispõe de restaurante com fogão a lenha, banheiros, redário, quiosques, quadra de voleibol de areia, cavalos, charretes, lago para banho e passeios de barco. 

• Fazenda Morro Grande: 
Situada a 910 m de altitude, possui oito mirantes de observação. Fica sobre as formações da Serra do Roncador; trata-se de uma cordilheira com cachoeiras e pontos de descidas de rapel. Oferece fonte de água com características de regiões vulcânicas, estrutura para refeições, banheiros e redário para descanso. As visitas aos pontos de observação podem ser realizadas a pé, a cavalo ou de veículo 4x4. 

• Fazenda Salto do Andorinha: 
Distante 50 km do município de Campo Verde, possui trilha pela mata ciliar e cerrado, água límpida e piscinas naturais. Oferece campo de peteca, museu histórico com itens domésticos antigos e deslocamento dentro da fazenda a bordo das réplicas de bondinhos que circularam em Cuiabá no século XIX. O lugar é estruturado com sala de lanches, banheiros e local para descanso. 

Assentamento Rural 14 de Agosto: 
Trilha por floresta preservada - Projeto Caminho dos Alimentos, reconhecimento do funcionamento da cooperativa de derivados da mandioca e cana-de-açúcar, plantações orgânicas em caráter experimental, palestras sobre o Movimento Sem Terra, cavalgadas, criação de ovelhas, gado de leite, opcional descida de bóia pelo Rio Peraputanga. Oferece restaurante e alojamento.