19 de junho de 2020

Café, cacau e baunilha abrem espaço para sustentabilidadePesquisa está estudando os sistemas agroflorestais



Imagem: PixabaySILVICULTURA

Por: AGROLINK -Leonardo Gottems

O cultivo de cacau, café e baunilha garante a renda de muitos pequenos agricultores e também é um mecanismo de mudança no uso da terra em muitos países tropicais. Em particular, o cultivo em sistemas agroflorestais, nos quais essas culturas são combinadas com árvores que fornecem sombra, é frequentemente considerado como tendo um grande potencial para o cultivo ecologicamente sustentável. 

Pesquisadores da Universidade de Göttingen estão agora demonstrando que a história do uso da terra dos sistemas agroflorestais desempenha um papel crucial na avaliação da sustentabilidade da “agroflorestação”. Os resultados foram publicados na revista Conservation Letters. 

As agro florestas tropicais diferem muito em sua história de uso da terra, ou seja, o uso anterior da terra agora ocupada por agro florestas. Por um lado, uma agrossilvicultura pode ser estabelecida diretamente em uma floresta. Nesse caso, a vegetação rasteira é removida e substituída por videiras de baunilha, café ou arbustos de cacau. 


No processo, muitas espécies importantes de plantas e animais e serviços ecossistêmicos são perdidos. Por outro lado, uma agrossilvicultura pode ser estabelecida em áreas abertas, por exemplo, em um prado ou milharal que já foi uma floresta, mas que foi cortada para agricultura, indicam os pesquisadores. 

Nesse caso, a terra seria replantada de árvores, para que espécies animais dependentes de árvores possam se beneficiar. Elas também armazenam carbono e podem ter um efeito de resfriamento. 

"Nossos resultados mostram que os sistemas agroflorestais só podem levar a uma melhoria significativa da paisagem para a biodiversidade se eles forem estabelecidos em terra aberta", diz Dominic Martin, primeiro autor do estudo. "No entanto, a conversão de florestas tropicais ricas em espécies remanescentes em plantações de café, cacau ou baunilha deve ser evitada", conclui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário